Histórico de fármacos do paciente: como agir?

Quantas vezes a gente escuta isso na clínica e nos sentimos completamente perdidos; sem saber que remédios são esses e para que servem? Quantas vezes na prática clínica a gente recebe pacientes relatando um longo histórico de uso de fármacos; ou uso de uma polifarmácia?

“Meu paciente toma o remédio xyz.”

Quantas vezes a gente escuta isso na clínica e nos sentimos completamente perdidos; sem saber que remédios são esses e para que servem?

Quantas vezes na prática clínica a gente recebe pacientes relatando um longo histórico de uso de fármacos; ou uso de uma polifarmácia?

Muitas vezes desconhecemos as indicações dessas medicações e não sabemos o que esperar de cada uma delas.

Muitas vezes também, somos questionados pelos nossos pacientes sobre a necessidade da continuidade do tratamento ou se devem suspender o uso das medicações; somos questionados sobre os efeitos colaterais desses medicamentos.

Precisamos nos instrumentalizar

Enquanto psicólogos; terapeutas para compreendermos as classes das medicações; compreendermos possíveis efeitos colaterais e quando o remédio é indicado e quando não é.

Precisamos buscar um olhar mais profundo para a psicofarmacologia, para a sua articulação com todas as esferas da psicopatologia, para iluminar o nosso processo de entendimento e de auxílio aos pacientes.

Existem muitas temas relevantes e importantes para a prática clínica que serão trabalhadas no curso “Psicofarmacologia para Profissionais da Saúde”.” – saiba mais em https://profissionais.aripe.com.br/psicofarmacologia/

O curso foi desenhado para profissionais da saúde que desejam desenvolver uma visão crítica sobre a medicalização, levando em conta os personagens envolvidos na prescrição farmacológica.

Para psicólogas, psicanalistas, terapeutas individuais, psicoterapeutas, educadoras perinatais, obstetrizes, obstetras, enfermeiras obstetras e cuidadores em geral.