Brincar de fazer comidinha é uma prática comum em diferentes infâncias ao redor do mundo, se não todas. É também um dos primeiros caminhos pelos quais a criança entra no mundo da brincadeira simbólica.  E onde há natureza acessível, essas comidinhas acontecem de maneira ainda mais especial.

Nos ambientes naturais, as crianças têm à disposição um repertório infinito de ingredientes. Diferentes tipos de folhas, sementes, gravetos, terra, pedrinhas. Em um dos meus primeiros dias nas escolas da floresta, por exemplo, recebi de boas vindas um pedaço de torta feito com uma lasca de tronco, com cobertura de folhas, lama e sementes. E amei!

Eu, “criança adulta”, também me encanto ao ver as crianças preparando suas comidas com terra ou areia, buscando folhas, gravetos e sementes pelo ambiente para dar um sabor especial e um toque de beleza à decoração do prato. Me encanto também ao brincar de comidinha junto com os pequenos. E quantas coisas aprendo enquanto brincamos! Enquanto escolhemos os melhores ingredientes, conversamos, experimentamos receitas. E o menu de uma boa brincadeira de comidinha costuma ser bastante variado: ensopados, bolos, massas e o que mais a imaginação criar.

Apaixonada por essa brincadeira, quando vou aos parques com crianças, levo uma mochila preparada pra essa brincadeira: com panelas, potinhos, colheres, conchas. Nada da loja de brinquedos! Pego tudo que encontrei na minha cozinha e não uso. Também tento, ao máximo, evitar plástico, ampliando o repertório de materiais que a criança conhece. Levo também uma garrafa com água – fundamental para muitas receitas já que, em alguns parques, não existem tantos pontos à disposição. Com essa mochila, a brincadeira pode acontecer em qualquer canto e não necessariamente no “espaço para crianças”, até porque partimos do pressuposto de que o parque todo é para as crianças. Vez ou outra também coletamos elementos ao longo da semana e guardamos em um saquinho para usarmos na próxima sessão gastronômica. E o resultado, claro, não poderia ser diferente: muitas horas de brincadeira.

Comer não é apenas nutrir-se com o alimento, mas sim um ritual sagrado. Prepará-lo, decorá-lo, servir, comer junto. E isso acontece também nas brincadeiras que nunca têm data nem horário pra começar ou terminar, nem idade pra acontecer. Inconscientemente, passam de geração em geração.

 

Por Ana Carol Thomé, em Conexão Planeta

Foto: Renata Stort

Texto disponível em: http://conexaoplaneta.com.br/blog/brincar-de-fazer-comidinha-com-natureza-e-ritual-sagrado-na-infancia/

 

Tags:

4a Turma Psicologia do Puerpério com Alexandre Coimbra Amaral

0 Comentários

Envie uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

CONTATO

Para nós é importante saber como você está se sentindo com as informações que estamos compartilhando. Você pode mandar uma mensagem falando de que forma esse conteúdo lhe tocou.

Enviando

©2020 Instituto Aripe - pós Parto e Puerpério Desenvolvido por V12 Brasil Marketing Digital

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?