Elas estão apenas aprendendo a ser humanas – por Dr. Tovah Klein

Pergunte a qualquer pai ou mãe o que eles mais desejam para os filhos e a maioria dirá: “Quero que meu filho seja feliz”.

Sim, os pais também querem que seus filhos sejam seguros e resilientes, sabendo que o mundo pode ser um lugar adverso e que, para realmente ter sucesso na vida – seja lá o que aspirem fazer ou ser – eles precisam desenvolver certas habilidades emocionais.

Eles também dizem que querem que seus filhos sejam “gentis”, “atenciosos”, “respeitosos” e freqüentemente “bem-sucedidos”, “inteligentes”. Esses são todos valores que a maioria de nós compartilha. Quem não gostaria que uma criança crescesse para ser gentil, carinhosa, bem-sucedida e feliz?

Mas podemos realmente fazer nossos filhos felizes? Podemos forçá-los a ser genuinamente gentis?

Não. Nós realmente não podemos fazer nossos filhos fazerem nada. Podemos beijá-los, amá-los, abraçá-los e satisfazê-los. Nós podemos contactá-los para uma infinidade de atividades, planejar brincadeiras e férias, dar-lhes aulas de música, aulas de mandarim, ginástica, futebol e balé, e fazer o nosso melhor para levá-los às melhores escolas.

Mas pense nisso por um momento – é “felicidade” realmente o que estamos procurando afinal?

Esse ímpeto que temos como pais que buscam a felicidade, muitas vezes é rapidamente superado, nossos filhinhos rechonchudos podem cantarolar, chorar, cuspir e acordar-nos à noite até que estejam por volta de um ano e dez meses. Então, tcharam! Assim que chegam aos dois anos de idade, de repente e como se de um dia para o outro, temos um novo conjunto de regras para eles: queremos que eles se comportem, escutem, sigam as regras e “sejam bons”. E assim que mudamos nossas expectativas perante nossos bebês, vemos todo o inferno surgir. Um interruptor é ligado e nossos pequenos e bondosos se transformam em crianças exigentes, irracionais e muitas vezes desafiadoras. Nós nos preocupamos que, se não reprimirmos seus comportamentos “ruins” agora, eles terão esses comportamentos para sempre.

Pode ser surpreendente saber que os pais muitas vezes – involuntariamente, não intencionalmente – atrapalham suas crianças a se tornarem crianças e adultos mais bem ajustados, empáticos, resilientes e felizes.

Os pais geralmente pensam que estão fazendo o que é melhor para seus filhos, quando, na verdade, tudo o que estão fazendo é bloquear as necessidades que estão no âmago de quem é essa criança. E quando nós sufocamos essas necessidades, ou simplesmente as negligenciamos, quando nós, inconscientemente ou não, tentamos moldar nossos filhos, e moldar seu comportamento de acordo com algumas expectativas preconcebidas de quem eles são e quem nós pensamos que eles deveriam ser, nós os sufocamos. Nós lhes negamos a base crucial necessária para que cada criança cresça bem. Ao entrar em seu caminho, podemos inadvertidamente sabotar o desenvolvimento de nossos filhos, tiramos sua capacidade de compreender a si mesmos, de explorar o mundo de uma maneira que faça sentido para eles e incentive sua curiosidade. Nós truncamos a motivação deles para aprender. Nós tiramos a confiança deles para forjar relacionamentos, e o mais crucial de tudo, nós interrompemos a habilidade deles de desenvolver as habilidades emocionais necessárias para eles terem sucesso na escola e na vida.

Não me refiro ao sucesso na forma imposta nos dias de hoje: que eles se tornarão alunos brilhantes, atletas incríveis, artistas talentosos ou os próximos grandes inovadores de negócios – embora tudo isso possa acontecer também. O que quero dizer com sucesso é: uma pessoa que se sente confiante para explorar o mundo ao seu redor com entusiasmo e curiosidade, que não tem medo de errar, que se sente seguro o suficiente para começar a fazer amigos e que se sente bem ajustado, se recupere quando estiver desapontada. Uma pessoa que pode lidar com a vida é motivada a aprender, se sustenta e se preocupa com os outros.

Parece bom demais para ser verdade? De modo nenhum.

“Toddlers” (crianças na faixa dos 2 anos) fazem ou dizem muitas coisas que, do ponto de vista adulto, parecem ser irracionais, não socializadas ou até mesmo absurdas. De fato, muitas das escolhas aparentemente ilógicas de nossas crianças nos deixam muito nervosos. Nós podemos ficar envergonhados.

Nós tendemos corrigi-los exageradamente, criticá-los ou simplesmente pará-los. Como adultos, vemos o comportamento errático dos nossos bebês como a necessidade de serem controlados porque parecem estar fora de controle, o que, de um ponto de vista adulto, eles podem estar. É quando tendemos a recorrer a generalizações sobre os “terríveis dois anos” – ou três ou quatro. Nós vemos crianças nesta idade como mal comportadas ou rudes ou não ouvindo ou fazendo birras por nada. Mas quando olhados com olhos renovados, esses maus comportamentos podem fazer sentido, até para nós. Então você será capaz de orientar seu filho através dele para um modo de ser mais socializado.

Então, o que os pais e mães podem fazer? Existem seis maneiras principais que os pais e mães podem interagir com seus bebês:

1. Seja o espelho, dê uma sensação de segurança e ordem relativa;

2. Escute as crianças, em vez de sempre falar e direcioná-las;

3. Dar às crianças liberdade para brincar e explorar por conta própria;

4. Permita que as crianças tenham espaço e oportunidades para lutar e fracassar;

5. Trabalhar para entender quem é cada criança e o que ela precisa em uma determinada idade; e

6. Forneça às crianças limites e orientação.

Essas ações simples dão a qualquer criança uma base sólida para crescer durante um tempo em que elas estão apenas começando a se testar e a se entender em relação aos outros e a responder e administrar seus sentimentos complexos.

E adivinha o que acontece quando interagimos com nossos filhos dessa maneira? De repente, nos separamos das batalhas; calma e clara o suficiente para responder ao que nosso filho realmente está precisando em um dado momento (ao invés de começar com o que o adulto precisa naquele momento); e flexível o suficiente para dar às nossas crianças escolhas e, ao mesmo tempo, fornecer apoio e limites.
Texto original no inglês:
https://www.mother.ly/child/two-year-olds-arent-terrible-theyre-just-learning-how-to-be-human

Baixe o E-Book – Desenvolvimento Saudável da Criança 0-3

0 Comentários

Envie uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

CONTATO

Para nós é importante saber como você está se sentindo com as informações que estamos compartilhando. Você pode mandar uma mensagem falando de que forma esse conteúdo lhe tocou.

Enviando

©2018 Instituto Aripe - pós Parto e Puerpério Desenvolvido por V12 Brasil Marketing Digital

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?