Descubra o que é Puerpério

Puerpério é um movimento interno, um mergulho na alma. Não estamos falando somente de perda de sono. Mas, principalmente, de perda de identidade.

O que temos a falar é muito mais que a exaustão pelas noites perdidas de sono, é muito mais do que isso…

O que é puerpério?

Muitas pessoas escutam essa palavra ao longe.  Pensam que ela quer dizer um período de quarenta dias após o parto. E não é nada disso. Pós-parto as vezes é uma palavra utilizada para se dizer sobre o puerpério, mas o conceito é mais amplo.

Aqui não estamos falando somente daquele primeiro mês de acomodação à chegada do bebê. Também não estamos falando somente sobre o processo de exaustão física. Quando a mulher perde noites de sono, tem o sono fracionado. O que muitas vezes aparece para ela desde o terceiro trimestre da gravidez, quando a barriga a incomoda e já não tem uma posição definitiva para dormir.

Puerpério é mais do que isso. É mais do que essa dedicação suprema ao bebê, que faz parte do processo de tornar-se mãe.

Puerpério é um movimento interno, é um mergulho na alma

Para cada uma das mulheres que recebe um bebê em casa, seja por uma gestação biológica ou adotiva, o puerpério é o período em que ela vai construir uma consciência profunda sobre qual é o seu lugar no mundo depois da chegada desse bebê. Como é que a sua identidade vai se manifestar agora.

A perda de identidade

Portanto, não estamos falando de perda de sono. Estamos falando de perda de identidade. Tem uma perda que essa mulher começa a se dar conta.

A mulher que eu era até esse bebê chegar, não é mais a mulher que eu sou. Eu tenho hoje a consciência de que nada ficou no lugar, como diz Adriana Calcanhoto na música. Mas eu ainda não sei muito bem qual é o meu novo lugar. Depois que esse bebê chegou para me desconstruir completamente.

O puerpério é esse processo de desconstrução. É um castelo esfarelável. A alma da mulher está completamente se reconstruindo e se desconstruindo. Ela sente um monte de emoções, todas ao mesmo tempo. Não fica nenhuma emoção humana de fora nessa fase da vida.

A mulher vive um encontro profundo com ela mesma a partir do momento em que começa a se devotar para esse bebê. A necessidade que o bebê tem da mãe, pode ser o primeiro grande momento da vida que essa mulher precisou tanto se devotar a um outro. Ela agora está inteiramente entregue a esse bebê.

É uma grande novidade! A novidade da exclusividade dessa doação, que vem junto com a progressão desse amor, que não é imediato. O amor materno não é uma pérola que cai na cabeça dessa mulher.

Quando damos conta disso tudo, percebemos que a transformação do puerpério é uma transformação de identidade. Eu estou me transformando a partir do que o bebê está trazendo como novidade sobre mim mesma. Eu estou me revisando a partir de todas as dificuldades que esse bebê me traz. Porque ele me traz muitas perguntas.

O puerpério é uma viagem incrível

Se eu me permitir silêncios, espaços de lacunas do mundo lá de fora e me devotar à fusão com esse bebê, vou redescobrir muitas coisas sobre mim mesma.

Pode ser que uma mulher passe por tudo isso de forma anestesiada. Porém , é uma pena! Porque quando a mulher consegue se entregar à fusão com o bebê, o puerpério é uma experiência tão maravilhosa, uma viagem tão incrível. Capaz de produzir para ela mesma uma expansão da sua consciência.

Uma nova forma de estar no mundo

O objetivo dos nossos diálogos é conversar com essa disposição de se revisitar, que cada uma de vocês com certeza pode desenvolver.

Aqui, iremos considerar o puerpério como esse mergulho em torno da relação que se estabelece com o bebê. Transformando tudo o que você pensava sobre você, sobre o que imaginava que esse bebê poderia representar na sua vida e sobre sua forma de ver o mundo.

É uma identidade nova que se constrói. É uma forma nova de estar nesse mundo. E é justamente disso que as pessoas mais correm. Porém, é disso que nós realmente precisamos, nos aproximar.

A importância do puerpério para a mãe

A nossa intenção, quando construímos leis que asseguram à mulher pelo menos quatro meses de licença maternidade, tem uma premissa de que é necessário não só para o bebê, mas para a mãe.

Precisamos tirar essa ideia de que a entrega para o puerpério é importante só para o bebê. Não! É importante também para a mãe.

É claramente sabido que o bebê humano é o mais dependente entre todos os mamíferos. E a mãe precisa mesmo estar presente para garantir a sobrevivência fisiológica e emocional dele. Mas aqui estamos falando do que é importante para a mulher.

Nesse momento do pós-parto, ela vai sentir uma diferença significativa entre a vida que ela se permitia viver antes dessa fusão e a vida que ela vai ser convidada, por si mesma, a viver depois que o bebê chegar nos braços dela.

Diálogos

Então, se você estiver vivendo isso e quiser conversar sobre, é para isso que estamos aqui. A  intenção desses vídeos é desenvolver diálogos entre você e você mesma ou você e as pessoas próximas. Para deixarmos claro que o processo de interiorização da mulher nessa fase não tem nada de anormal. Esse turbilhão emocional é justamente o que constrói uma nova mulher.

Seja muito bem-vinda a nova você mesma!

por Alexandre Coimbra Amaral, psicólogo, terapeuta familiar e de casais; fundador do Instituto Aripe e está conduzindo o Curso de Psicologia do Puerpério.

O curso online “Psicologia do Puerpério” é para quem tem vontade de conhecer com profundidade, a psicologia perinatal, o processo emocional da mulher, do bebê, da díade formada entre a mãe e o seu filho, da família e das pessoas em torno da grande novidade que é o nascimento de um bebê.

Para profissionais que já trabalham com gestantes, parturientes e puérperas, estudantes das áreas de saúde; educação e ciências humanas, como formação complementar, já que é um tema quase nunca exposto nos cursos de graduação como conteúdo básico.

Saiba mais em: https://aripe.com.br/psicologia-puerperio/

O Instituto ARIPE é uma plataforma de cursos online de aperfeiçoamento e aprofundamento profissional de psicologia; cursos complementares e educação continuada a distância para psicólogas (EAD), psicanalistas, terapeutas individuais, psicoterapeutas, psicopedagogas e interessados pelos assuntos.

 

Autores

Nuvem de tags

Posts recentes

3 respostas

  1. Boa tarde,

    Meu príncipe tem 27 dias de nascido, e há uns 20 dias venho sentindo um desespero, medo, angústia, vontade de chorar.
    Hoje eu sinto só medo e vontade de chorar, não sei explicar do que tenho medo. Na verdade, acho que tenho medo de não conseguir cuidar do meu filho, de alguma coisa acontecer com ele.
    Sinceramente não entendo o que tá acontecendo comigo.

  2. Olá Anne, em primeiro lugar parabéns pelo nascimento do seu filho! Recomendamos que você veja os outros vídeos e textos da nossa página, esses textos e reflexões vão lhe auxiliar para compreender melhor esse momento tão especial e delicado da mulher. forte abraço

  3. Obrigada pelos vídeos. Hj o meu bebê está fazendo 2 meses e eu pareço que não sou eu….sinto que estou vivendo num filme…sinto medo de as coisas não voltarem ao normal..espero que essa fase passe logo….

Os comentários estão desabilitados.