Não há motivo racional pra se ter filhos.

Não conheço nenhum. As despesas aumentam, o tempo livre diminue.

Não há garantia de retornos.

Não há certeza de que vão cuidar de você na velhice, não há certeza de que os centavos e desgaste emocional investidos serão recompensados.

Se for fazer uma lista de prós e contras, dificilmente a de prós será maior.

A felicidade de se ter filhos às vezes se perde na rotina e eu não posso te dizer que seriam apenas sorrisos.

Mas não tem final de copa do mundo ou Season finale de GOT que seja tão emocionante quanto ver as estreias da vida de um ser humano.

Primeiras palavras, primeiros passos, primeiras conversas. As primeiras letras e frases lidas. E não vai existir primeiro dia de trabalho que cause tanta ansiedade quanto o primeiro dia de aula dos pequenos.

Ver um ser humano crescer é um presente por si só. É um exercício diário de altruísmo, porque a missão é tornar-se desnecessário.

Importante, mas não essencial. Não há motivo racional para viver as noites em claro, as abdicações diárias.

Mas também não conheço experiência que ensine tanto sobre a vida. Sobre a gente mesmo. Sobre a nossa pequenez no universo. Sobre a nossa própria grandeza. Sobre ser amado intensamente.

Ter filhos é uma loucura.

Mas eu tenho aprendido que as minhas maiores felicidades vieram das coisas mais loucas. A casa barulhenta, os choros e brinquedos musicais aos poucos dão espaços a outras fases e o mundo vai mudando até que eles batem asas e a casa volta a ser nossa, silenciosa.

E o silêncio será preenchido pelas lembranças barulhentas. 

Não há razão na decisão de ter filhos. É irracionalidade, é quase insanidade. Mas tem valido a pena, mesmo que os cálculos não batam bem.

Mesmo que a lista de contras seja muito maior. Na de prós estão razões emocionais que a objetividade jamais entenderá. Estão abraços, sorrisos, trocas e amor.

É como querer explicar porque gostar do cheiro da flor, de tomar banho de mar. É como querer expressar o que se sente numa noite de lua cheia, no calor de um beijo apaixonado, na festa de formatura. Não há motivo racional pra se ter um filho. Mas nem tudo precisa de razão, afinal…
.
Texto: Elisama Santos @elisamasantosc

Imagem: @kaitlin_harris

 

Dance com seu Bebê em Casa – Dance Mãe e Bebê com Ana Zanesco

0 Comentários

Envie uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

CONTATO

Para nós é importante saber como você está se sentindo com as informações que estamos compartilhando. Você pode mandar uma mensagem falando de que forma esse conteúdo lhe tocou.

Enviando

©2020 Instituto Aripe - pós Parto e Puerpério Desenvolvido por V12 Brasil Marketing Digital

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?