O Papel do Companheiro no Trabalho de Parto

Durante a preparação de um casal para o parto, é importante trabalhar o lugar do companheiro ou da companheira em todo o processo, visto que ao longo da gestação, a atenção é praticamente exclusiva à mulher.

A importância de trabalhar o lugar do companheiro ou da companheira.

Durante a preparação de um casal para o parto, é importante trabalhar o lugar do companheiro ou da companheira em todo o processo, visto que ao longo da gestação, a atenção é praticamente exclusiva à mulher.

É a mulher quem costuma passar por diversos profissionais direcionados às muitas camadas da assistência, que vão auxilia-la nesse percurso.
Existem vários acompanhamentos terapêuticos e técnicos ligados à gestação que fazem com que ela vá se preparando para o parto.

Buscando uma gestação saudável, a gestante vai agregando várias práticas, técnicas e cuidados para O processo do parto acontecer.

O que ocorre normalmente é que a outra pessoa, o pai ou a outra mãe desse bebê, acaba ficando um pouco à margem.
E é importante lembrar que esse bebê é feito dessas duas partes.

O parto é um rito iniciático para toda a família.

Consequentemente, contemplar o parceiro durante o processo, acaba por unir ainda mais o casal nesse propósito.

Nós, profissionais da assistência, tendemos a olhar tanto para mulher – que sem dúvidas é o mais importante nesse momento – que acabamos esquecendo que existe uma outra pessoa envolvida, que também precisa se preparar, que também precisa ser ouvida e ter seu processo contemplado.

Quando abordamos o sistema familiar em nosso atendimento, conseguimos incluir os parceiros, gerando potência para o vínculo familiar.

Valorizar o quanto @ parceir@ pode participar do trabalho de parto.

Valorizar; o quanto o parceiro pode participar do trabalho de parto, é expor o quanto pode sentir-se vivendo com total integridade esse rito iniciático.

Um rito que não é só sobre o bebê sair de dentro de um corpo; mas também; sobre sua chegada nesse mundo.

Faz parte do nosso papel, enquanto assistência; lembrar esse lugar de iniciação não é exclusivo da mulher que pári.

A chegada de um bebê, muda toda a estrutura familiar. Lembrar a dimensão do vínculo; que esse processo oferece, pode transformar toda a relação de presença entre os membros daquela família.

É importante explorar mais essa parceria e essa vivência das duas polaridades no trabalho de preparação para o parto.

Maíra Duarte – Terapeuta Ayurveda, doula e educadora perinatal.

Autores

Nuvem de tags

Posts recentes

Uma resposta

  1. Realmente preparar o companheiro ou companheira é algo essencial! Treinar esse olhar de forma a englobar todo o núcleo familiar nos atendimentos de preparação para o parto, seja o pré-natal, encontro com doula, apoiadora de aleitamento, é fundamental para uma experiência positiva!

    Agora só uma dica: usar o @ como forma de não determinar o gênero, dificulta o acesso ao conteúdo por pessoas deficientes visuais, uma vez que os aplicativos não entendem o @ na hora da leitura. Aconselha-se utilizar o E, ou seja, companheire 🙂

Os comentários estão desabilitados.