Qual a diferença entre uma briga de casal e uma cena violenta?

Se você está aqui acompanhando esta série de vídeos sobre crise conjugal e reconstrução do casamento, provavelmente sente muita tristeza com as brigas no relacionamento. Embora sejam inevitáveis na imensa maioria das vezes, elas representam o contrário do que se sonha na hora de construir uma vida a dois. Diante de uma expectativa de encontro, a briga é a mais evidente das faltas de consenso.

RECONSTRUINDO NOSSO CASAMENTO | Jornada Terapêutica para Casais com Alexandre Coimbra Amaral e Daniela Leal
INSCRIÇÕES ABERTAS: https://bit.ly/3erBG7K
*Para aqueles que estão em sofrimento por sucessivas crises no relacionamento conjugal e que buscam caminhos de reencontro.*

O motivo da briga acontecer é a decepção.

Algo aconteceu que fez com que um se desiluda com o outro. Por isso estamos falando tanto nesta série de vídeos sobre o jogo das expectativas. Ele é uma constante em qualquer relacionamento, que dirá o conjugal.

O tempo inteiro temos expectativas sobre como o outro deve pensar, sentir ou agir. E isso tinge o nosso olhar sobre ele. Se eu espero que ele siga o mais banal dos dias de uma determinada maneira, eu me frustro quando não acontece da forma como eu imaginei. Portanto, num relacionamento a dois, uma das características mais importantes de serem trabalhadas é a tolerância à frustração – coisa que me parece um dos pilares do processo de amadurecimento na “adultez”. Um aprendizado que não termina nunca, que nos acompanha por toda a vida.

Escalada Simétrica

Então, a briga começa porque eu me frustrei com o outro, e este se defende. O fenômeno que pode acontecer aqui se chama ESCALADA SIMÉTRICA, que é a busca pelo patrimônio pessoal da verdade.

Um diz para o outro: quem tem a razão sou eu. E o outro lhe responde: não, sou eu. Não acontece, a rigor, aqui, um diálogo, e sim uma luta em forma de palavras.

Dificilmente um escuta o outro para aprender com a sua versão, mas sim para rebatê-la e se defender dos ataques que sofre. Os cônjuges estão mais interessados em dizer coisas ao outro do que escutá-lo. E isto faz com que a conversa, que poderia ser para ampliar possibilidades, que seja mais um elemento de erosão na vida do casal.

Briga de Casal: jogo de Poder

Você já está entendendo, portanto, que uma briga de casal tem a ver com um jogo de poder. E para melhorar o clima de uma relação conjugal em crise, precisamos abordar esse jogo direta e francamente:

Como é a estrutura de poder no seu casamento? Quem pode falar, quem pode interromper, quem pode gritar? Está claro para vocês que isto pode passar a se chamar, por exemplo, de violência?

A violência é uma briga que chegou a um limite em que a humilhação, a vergonha e o medo passaram a ser os sentimentos de uma ou das duas pessoas. Neste momento, é hora de pedir ajuda. Se você sente que vive isso no seu casamento, não fique em silêncio. Porque nem você, nem seu cônjuge merecem continuar a viver este tipo de relacionamento. A violência é a falência de toda esperança que o amor trouxe para a vida de vocês…

Confira os demais textos e vídeos da Série Reconstruindo o Nosso Casamento: AQUI!

por Alexandre Coimbra Amaral, psicólogo, Mestre em Psicologia pela PUC do Chile Terapeuta de Casais, Famílias, Grupos e Comunidades. Psicólogo do Programa “Encontro com Fátima Bernardes”, da Rede Globo. Colunista da Revista Crescer (Editora Globo) e do Portal Lunetas (www.lunetas.com.br).