Nesta reportagem do site uai.com.br foi levantada essa questão a partir do que foi estipulado pela Associação de Psiquiatria Americana, no Manual de Estatísticas de Diagnósticos.

Confira a seguir, para uma reflexão em cada profissional a respeito desse tema: duração do luto.

Uma das situações mais dolorosas vividas pelo ser humano e de características tão íntimas; o luto começará a ser tratado por psiquiatras dos Estados Unidos como um distúrbio mental.

A recomendação foi uma das muitas polêmicas anunciadas, em San Francisco, na ocasião do lançamento da quinta edição do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, o DSM-5 em 2013.

Conhecido como a bíblia da psiquiatria; o roteiro elaborado pela Associação Americana de Psiquiatria (APA) é usado como referência por profissionais de todo o mundo e pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

O luto não era “regulamentado” nas edições antigas. Agora, quando durar mais de duas semanas, será considerado depressão.

A psiquiatra Fátima Vasconcellos, que esteve nos Estados Unidos para participar da apresentação do DSM-5; avalia que a inclusão do luto de duas semanas no manual surge com base em experiências de pessoas que vivenciam a situação de forma mais grave.

“A classificação procura enquadrar casos específicos, como sintomas psicóticos. Mas é bom lembrar que é um guia de orientação. Ele não substitui o conhecimento médico, que determina se o paciente necessita de atenção especializada ou não”, pondera.

O tempo do Luto – opinião de outros especialistas

Pesquisadora especialista em luto da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP); Maria Helena Pereira Franco afirma que é preciso levar em consideração que existem questões individuais para a perda de um ente querido.

Por isso, o tempo de luto, usado como critério no manual divulgado, pode ser variável. Para ela, não se pode dizer que a situação é patológica, já que a natureza da morte também influencia os sentimentos de dor.

“É o caso de quem perde uma pessoa jovem de forma inesperada, como em um acidente de trânsito, uma situação diferente da vivida por pessoas que se despedem de um idoso, um processo natural da vida”, compara.

Para o psiquiatra Joel Rennó Júnior; a dor após a morte de alguém próximo pode ser tratada como um transtorno mental, mas o médico considera o período de duas semanas muito pequeno.

“Embora respeite os novos critérios, na minha prática clínica, percebo que os sintomas do luto são evidenciados após dois meses.”

O especialista explica que eles podem vir acompanhados de reações comportamentais; como desorganização, crises de raiva, desespero e, em alguns casos, isolamento e depressão.

Quando o luto “passa do tempo”, segundo Rennó; ele pode desencadear alguns transtornos mentais, como os de ansiedade e de humor.

“É bom deixar claro que existe o fator de vulnerabilização, presente em algumas pessoas, que pode prolongar o luto. O resultado são estressores psicossociais diferentes, que podem deixar o indivíduo em condição de riscos mais graves, como a ameaça à própria vida.”

Vivendo o Luto

O policial militar Aderivaldo Cardoso, de 35 anos, teve a saúde mental abalada há um ano e meio; quando perdeu o filho adolescente, vítima de infecção generalizada.

Ao perceber que precisava de ajuda, Aderivaldo procurou atendimento especializado, primordial; segundo ele, para que conseguisse reagir.

“A visita ao psicanalista foi decisiva. Eu temia que, quando o tempo fosse passando, eu me esqueceria do meu filho, me desligaria dele. Descobri nesse processo que o que une é o amor, não a dor”, afirma.

Especialista em situações de luto, a psicóloga Daniela Lemos esclarece que, em casos de isolamento prolongado; famílias e amigos precisam agir.

“Os limites do enlutado precisam ser respeitados. É esperado que, com o tempo, exista oscilação entre momentos em que a pessoa esteja bem e outros não. O que não deve acontecer é permanecer nas extremidades, ou seja, excessivamente voltado para a perda ou excessivamente voltado para a reparação. Nesses últimos casos, indica-se a ajuda profissional”, alerta.

Lemos explica que, apesar de as experiências serem bastante pessoais; o tempo médio de luto costuma extrapolar as duas semanas propostas no manual “Uso como referência o período de um ano, pois é quando acontecem os primeiros eventos sem a presença do falecido, como aniversários, Dia das Mães, das Crianças, Natal”, afirma.

“A classificação procura enquadrar casos específicos, como sintomas psicóticos. Mas é bom lembrar que é um guia de orientação. Ele não substitui o conhecimento médico” Fátima Vasconcellos, psiquiatra

“Uso como referência o período de um ano, pois é quando acontecem os primeiros eventos sem a presença do falecido, como aniversários, Dia das Mães, das Crianças, Natal” –
Daniela Lemos, psicóloga

Confira algumas mudanças propostas pela Associação Americana de Psiquiatria no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais em 2013:

Esquecimento
» Antes: não citado no manual
» Agora: a falta de cognição leve passa a ser considerada um quadro de pré-demência

Distúrbios sexuais
» Antes: era disposto como disfunção comportamental
» Agora: desinteresse sexual por seis meses deve ser passível de tratamento

Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH)
» Antes: a recomendação era de que o diagnóstico fosse feito a partir dos 7 anos
» Agora: a idade foi aumentada para 12 anos

Vícios
» Antes: o abuso e a dependência de substâncias eram tratados de forma distintas
» Agora: não existe mais a separação entre abuso e dependência. A compulsão alimentar passou a fazer parte da lista

Desregulagem perturbadora de humor
» Antes: não citada no manual
» Agora: crianças que ficam irritadas com frequência podem ser consideradas portadores de transtorno bipolar. No caso dos adultos, o diagnóstico precisa levar em conta vivências da infância

Efeitos no trabalho

No Brasil, os transtornos mentais são a terceira causa de afastamentos do trabalho — a primeira são fraturas e lesões diversas, e a segunda, os distúrbios osteomusculares, de acordo com pesquisa da Universidade de Brasília (UnB). Em 2011, segundo o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), mais de 211 mil pessoas foram afastadas devido ao adoecimento mental por prazo superior a 15 dias e passaram a receber o auxílio-doença.

Coordenador-geral da Secretaria de Relações do Trabalho, no Ministério do Trabalho, Mauro Rodrigues explica que, em situações de luto, a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) garante o mínimo de dois dias consecutivos de afastamento ao enlutado, mas as empresas podem estender esse prazo.

“É o caso de estabelecimentos ou das instituições que seguem convenções coletivas. O Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Purificação e Distribuição de Água e em Serviços de Esgotos do Distrito Federal estabelece o prazo de cinco dias consecutivos ao enlutado. Se o sepultamento ocorrer fora do Distrito Federal, são acrescidos mais dois dias”, exemplifica.

De uma forma geral, Rodrigues pondera que a prevenção para transtornos mentais não pode ser uma preocupação individualizada. A qualidade de vida também deve pautar as preocupações empresariais. “É preciso, sobretudo, que o empregador ofereça um ambiente de trabalho salubre. Deve ser um local com conforto e segurança para evitar momentos estressores e, consequentemente, uma doença mental.” (PL)

 

por Paulo Lima para Saúde Plena – uai.com.br

Dance com seu Bebê em Casa – Dance Mãe e Bebê com Ana Zanesco

0 Comentários

Envie uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

CONTATO

Para nós é importante saber como você está se sentindo com as informações que estamos compartilhando. Você pode mandar uma mensagem falando de que forma esse conteúdo lhe tocou.

Enviando

©2020 Instituto Aripe - pós Parto e Puerpério Desenvolvido por V12 Brasil Marketing Digital

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?