Um bebê parece um pequeno animal (na verdade, é), impotente e quase constantemente insatisfeito, “egoísta” e dependente que não pensa em sua mãe ou seu pai ou como cansado eles podem estar.

Dito assim, soa quase como um ser maligno, mas não: é simplesmente um ser incapaz de raciocinar como um adulto, cuja intenção é única e exclusivamente sobreviver.
Para isso, ela vai chorar sempre que precisar de alguma coisa, ela vai chupar a todo momento se estiver com fome ou se precisar se acalmar e reclamar de qualquer coisa que o incomode.

Isso faz com que muitas mães e pais a princípio sejam literalmente sobrecarregados, e especialmente se são aqueles que se importam desde o início com o bebê, porque a mudança é abissal; e faz muitas pessoas quererem dar uma mão, tomar conta do “problema”.

O que acontece é que separar mãe do bebê geralmente não é uma boa idéia, principalmente nos primeiros meses, porque o cuidador substituto não tem o cheiro mãe, não soa como a mãe, não fala como mãe, não respirar como a mãe ou o seu coração não bate como o da mãe, e muitas vezes o bebê vai reclamar por ela (ou não diz nada e depois queixam-se durante a noite, com um sonho muito inquieto porque não estava totalmente seguro em braços desconhecidos). Mas não é só isso, é que a mãe, quando liberada por um momento do cuidado com o bebê, não costuma descansar, mas tende a ir atrás de cuidar das coisas da casa, as tarefas domésticas que estão por fazer…

Por esse motivo: “Não me ajude com o bebê, me ajude com a casa”. Ou melhor: “Não a ajude com o bebê, ajude-a com a casa”.

Porque ela não vai lhe contar, porque ela, exausta, desconectada e com uma névoa de preocupação sobre seus olhos, vai dizer que está bem, que sabe lidar com tudo.

Então é melhor perguntar … ou melhor, fazer. De acordo com a o nível de intimidade com a família e com a mãe, é claro que é ótimo que alguém coloque as roupas na máquina de lavar, dê um tapa na comida, lave os pratos, varra o chão, tire o pó da mobília … E se for visitar, leve comida, eles vão agradecer infinitamente. Papai também irá apreciar uma pequena ajuda para desfrutar de um pouco de seu bebê enquanto a mãe dorme.

por Armando Bastida – Enfermeiro – Instagram: https://www.instagram.com/armandobastidaep/

Texto original em espanhol, tradução livre por Instituto Aripe.
https://www.instagram.com/p/BxsaOcXoXBj/

3a TURMA FORMAÇÃO DANCE MÃE E BEBÊ

0 Comentários

Envie uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

CONTATO

Para nós é importante saber como você está se sentindo com as informações que estamos compartilhando. Você pode mandar uma mensagem falando de que forma esse conteúdo lhe tocou.

Enviando

©2019 Instituto Aripe - pós Parto e Puerpério Desenvolvido por V12 Brasil Marketing Digital

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?