Rótulos diagnósticos

Todos nós que somos psicoterapeutas nos recusamos a reduzir os nossos pacientes a rótulos diagnósticos. Justamente por acreditarmos que esvaziar a subjetividade humana; reduzindo ela a rótulos; a diagnósticos; é fechar a porta para o processo de elaboração. Nós profissionais precisamos conhecer os manuais diagnósticos com profundidade.

 

DSM-V, CID-10.

Todos nós que somos psicoterapeutas nos recusamos a reduzir os nossos pacientes a rótulos diagnósticos.

Justamente por acreditarmos que esvaziar a subjetividade humana; reduzindo ela a rótulos; a diagnósticos; é fechar a porta para o processo de elaboração. Nós profissionais precisamos conhecer os manuais diagnósticos com profundidade.

Conduta Crítica

Precisamos conhecer como se estrutura o pensamento médico utilizado para a prescrição; e em cima disso criar diálogos; criar questionamentos. Colocar isso tudo em perspectiva, porque isso vai pautar e basear uma conduta crítica; uma conduta reflexiva que vai beneficiar o paciente.

Um convite

Convido você a participar do novo curso do Instituto Aripe, “Psicofarmacologia para os Profissionais da Saúde” e dialogar sobre esses temas, ventilar esse diálogo tão importante entre a psiquiatria e outras formas de terapias, que tanto auxiliam nossos pacientes.”

Saiba mais: https://profissionais.aripe.com.br/psicofarmacologia/

por Patrícia Piper Ehlke, médica psiquiatra, especialista em Psicologia Clínica.

O curso foi desenhado para profissionais da saúde que desejam desenvolver uma visão crítica sobre a medicalização, levando em conta os personagens envolvidos na prescrição farmacológica.

Para psicólogas, psicanalistas, terapeutas individuais, psicoterapeutas, educadoras perinatais, obstetrizes, obstetras, enfermeiras obstetras e cuidadores em geral.